Logomarca

Cáceres e Poconé podem de ter mais de 500 mil hectares destinados ao projeto de conservação do Panta

Da Redação - Vinicius Mendes

Foto: Rico/Viagem e Turismo

Cáceres e Poconé podem de ter mais de 500 mil hectares destinados ao projeto de conservação do Pantanal
Produtores rurais de Mato Grosso, ligados a diversas entidades de classe, entregaram nesta semana uma 'carta manifesto' ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), em protesto contra a criação e ampliação de unidades de conservação em Cáceres e Poconé.
 
A autarquia do Ministério do Meio Ambiente promoveu consultas públicas nos municípios para apresentar um projeto de criação e ampliação de 523.369 hectares em unidades de conservação do Pantanal Mato-grossense, dos quais mais de 50% estão em propriedades particulares.
 
Leia mais:
Pantanal 'pode não suportar PCH´s', alerta MPE; órgão pede suspensão das licenças prévias
 
Conforme o diretor da Associação dos Criadores de Nelore (ACNMT) e superintendente do Instituto Ação Verde, Vicente Falcão Filho, que também é ex-secretário de Estado de Meio Ambiente, o processo desenvolvido pelo ICMBio está sendo conduzido de forma arbitrária, sem embasamento técnico e pretende inviabilizar a pecuária tradicional na região, o que será uma perda principalmente para a biodiversidade que tem sido mantida pelos produtores rurais.
 
"Hoje o turismo para observação de fauna silvestre, voltado à onça-pintada, já movimenta mais de 3 mil pessoas ao ano, e ele só ocorre porque o nosso pecuarista entende a importância da conservação ambiental e faz a manutenção do ecossistema para que as onças permaneçam na região. Com as desapropriações, toda uma cadeia produtiva e turística tende a desaparecer e a região ficará totalmente desassistida", explica Vicente Falcão.
 
As consultas públicas foram realizadas nos dias 30 e 31 de julho, respectivamente, em Cáceres e Poconé e tiveram a participação em ambos municípios de cerca de 500 produtores rurais, lideranças do setor agropecuário, representantes da sociedade civil, do comércio e turismo, a maioria alega não ter sido convidada formalmente pelo ICMBio.
 
Falcão destaca como 'absurdo' no projeto do ICMBio a manutenção das sedes das fazendas nas áreas que poderão desapropriadas, ação que visa diminuir o valor das indenizações que devem ser superiores a R$ 5 bilhões. "Essas sedes vão virar o que, casa de campo ou de veraneio? Qualificamos o projeto do Ministério do Meio Ambiente como descabido, impositivo, confiscatório e que em nada contribui para o estado de Mato Grosso".
 
O presidente do Sindicato Rural de Poconé, Arlindo Márcio de Moraes, 53 anos, nascido e criado no Pantanal há muitas gerações, lamenta não ter sido convidado para a reunião e alega que mesmo assim se organizou juntamente com os demais produtores para se manifestar contra e assinar a carta. "Temos mais de 1,2 mil propriedades na região e pelo menos 400 proprietários rurais, todos extremamente preocupados com essa iniciativa, gente que vive disso aqui e dedica a vida ao Pantanal".
 
Entre as instituições que assinaram a carta manifesto estão: ACNMT, Famato, Sindicato Rural de Poconé e Cáceres, Acrimat, Câmara de Dirigente Lojistas (CDL), Irmandade do São Benedito e da Ordem dos Cavaleiros da Cavalhada, Associação Brasileira dos Criadores do Cavalo Pantaneiro, Associação de Defesa do Pantanal (Adepan), Loja Maçônia Hiran Abif II e prefeituras municipais de Cáceres e Poconé.
 
Sobre o projeto
 
O ICMBIO apresentou a proposta de criação da Reserva de Fauna do Pantanal que ocupará 165 mil hectares entre a Estação Ecológica Taiamã e o Parque Nacional do Pantanal Mato-grossense; e a criação do Refúgio de Vida Silvestre da Onça-pintada que somará 270 mil hectares entre o mesmo parque e o Parque Estadual Encontro das Águas, incluindo a Reserva Particular do Patrimônio Natural Dorochê e propriedades privadas.
 
Para o Instituto, as áreas sugeridas são alagadas e improdutivas. No entanto, um estudo do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) identificou que 57% dessas áreas são propriedades rurais e 30% têm aptidão regular para pastagem plantada, somando pouco mais de 281,8 mil hectares, e aptidão para silvicultura (287,9 mil hectares).


PUBLICADA EM: 06/08/2018 11:51:53 | OUTRAS NOTÍCIAS FONTE: Olhar Direto MT

Busca de pacotes

Pousadas em Chapada

As melhores opções de hospedagem com todo conforto que você precisa em Chapada!

Pousadas no Pantanal

As melhores opções você encontra aqui, reserve agora!